Quais são as complicações mais comuns da cirurgia para retirada da próstata?

Qualquer procedimento cirúrgico traz consigo riscos e possíveis efeitos colaterais. Quanto mais idoso for o paciente, maior o risco destas complicações.

Riscos cirúrgicos: Os riscos em qualquer tipo de prostatectomia radical são muito parecidos, assim como os de qualquer cirurgia de grande porte, incluindo os riscos anestésicos. Entre os mais importantes estão hemorragia, pequeno risco de infarto, de derrame e de trombose em pernas, embolia pulmonar, assim como infecção no local da incisão.

Efeitos colaterais: Os principais efeitos colaterais da prostatectomia radical são a incontinência urinária e a impotência. Entretanto, esses efeitos colaterais também podem ser provocados com outras formas de tratamento, por exemplo: a radioterapia.

Incontinência urinária: Existem diferentes graus de incontinência, que podem afetar o homem, não só fisicamente, mas emocional e socialmente:

  • Incontinência de estresse: É o tipo mais comum de incontinência após a cirurgia de próstata, quando a urina pode escapar a um movimento repentino como tossir, rir ou espirrar.
  • Incontinência por transbordamento: Quando a bexiga não é totalmente esvaziada. Neste caso, o homem leva um tempo grande para urinar e só consegue um fluxo fraco. Geralmente é causada pelo bloqueio ou estreitamento da saída da urina pelo tumor ou tecido cicatricial.
  • Incontinência de urgência: Quando se tem uma necessidade súbita de urinar. Esse problema ocorre quando a bexiga torna-se muito sensível ao alongamento, ou seja, quando a bexiga enche de urina.

Raramente após a cirurgia, o homem perde toda a capacidade de controlar sua bexiga, o que é chamado de incontinência urinária contínua. Geralmente o controle da bexiga, em homens submetidos à cirurgia de câncer de próstata retorna quase ao normal dentro de algumas semanas ou meses após a prostatectomia radical. O tratamento para a incontinência depende do seu tipo, causa e severidade.

Comments are closed.