fbpx

O tratamento ideal do câncer de rim deve ser realizado com um planejamento preciso, adequado ao tipo de câncer e à condição de saúde do paciente. Veja abaixo alguns dos métodos:

Nefrectomia Radical: A principal forma de tratamento definitivo para o câncer de rim era a nefrectomia radical – uma cirurgia responsável pela retirada do rim, a glândula adrenal, seus revestimentos e os linfonodos regionais. Gradualmente, essa técnica tem sido substituída pela retirada do tumor com preservação da restante do órgão (procedimento conhecido nefrectomia parcial). A técnica tem sido eficiente principalmente em tumores menores que 4 cm, mas não exclui a possibilidade de ser utilizada em tumores maiores – desde que o procedimento seja compatível com o formato do tumor.

Nefrectomia Radical Laparoscópica: Esse método é tão efetivo quanto as cirurgias abertas e possui a vantagem se ser um procedimento menos invasivo, com menos danos estéticos ao corpo, menor tempo de interação e menor chance de infecção. No entanto, a cirurgia laparoscópica com nefrectomia parcial é restrita a uma série de casos em que sua utilização pode gerar complicações ainda maiores que a cirurgia aberta.

Outros métodos: Há também métodos novos de tratamento de rim, como a crioterapia (destruição tumoral através do congelamento) ou a radiofrequência (que realiza o mesmo procedimento, mas através de ondas de calor). Ambos são métodos minimamente invasivos, realizados com a utilização de agulhas e indicados em situações especiais.

Diferentemente de outros cânceres, o tumor renal caracteriza-se pela baixa resposta à quimioterapia e radioterapia após a cirurgia. Como alternativa, utiliza-se a Imunoterapia com Interferom ou Interleucina: um método que apresenta resposta alta, mas também possui um alto índice de toxidade.

Há também as drogas inibidoras da angiogênese (crescimento dos vasos sanguíneos a partir de outros): um método adotado para pacientes com metástases à distância, fazendo com bloqueio de crescimento de novos vasos, realize o controle e a regressão da doença.

 

Comments are closed.